Instrutor da Swat fala sobre sensação de segurança e comportamento em condomínios

Profissional virá a Florianópolis no dia 26 para a terceira edição do "Condomínio Summit"

ENTREVISTA/MARCOS DO VAL, consultor da Swat norte-americana

O brasileiro que dá aulas para o esquadrão norte-americano virá a Florianópolis no dia 26 para a terceira edição do "Condomínio Summit", no Centrosul.

O que deve ser priorizado na segurança dos condomínios?

Oque tem que ser priorizado é: a capacitação dos profissionais, bons equipamentos de vigilância e terceiro, com uma parcela mais forte, a participação dos próprios condôminos. A gente percebe que nenhum está preocupado com a segurança do outro. Então são indisciplinados na hora que entram pela porta principal, ou pela garagem, não verificam pelo retrovisor se tem alguém atrás. Então o morador é um grande responsável tanto pela segurança quanto pela insegurança. Aí vem a contribuição dos seguranças de condomínio, até mesmo os porteiros com treinamento para agir em casos extremos. E aí vem a contribuição dos agentes de segurança, porteiros e depois dos equipamentos de segurança. Então para mim o que tem que ser priorizado é a conscientização dos condôminos. A minha experiência nos EUA eu vejo a contribuição da comunidade na busca pela segurança de seu bairro, fazendo suas rondas particulares para garantir a segurança da comunidade, não esperando a ação de policiais para fazerem isso, e contribuem com o máximo que podem. Essa é a primeira mensagem que eu passo nas palestras, da importância da participação de cada um.

Como é o seu trabalho junto a Swat americana? Atua em cursos em que áreas?

Meu trabalho começou em 2000, quando apresentei um trabalho para a SWAT de Dallas depois de ver um policial tendo que tirar a vida de um suspeito porque ele não conseguiu dominá-lo para algemar. Desenvolvi uma técnica em cima disso e apresentei para a SWAT de Dallas que inicialmente rejeitou. Mas quando eu mostrei o trabalho in loco eles ficaram impressionados e o presidente da associação da Swat dos Estados Unidos então me convidou para ser instrutor das Swats, são várias unidades lá, dessa técnica que eu denominei de “imobilização estática”. É uma técnica de aproximação, abordagem, segurança com arma, uso progressivo da força, minimizando a utilização da arma de fogo e valorizando a preservação da vida que é o foco principal. Comecei a instruir desde 2000, depois em 2003 ao participar de uma ação da Swat como observador aconteceu um incidente a qual um policial foi reconhecido durante uma operação em que o policial estava infiltrado entre os traficantes para comprar droga para comprovar a ação ilícita. O policial foi reconhecido, agredido e durante esse período e a SWAT foi acionada. Acabou que um dos traficantes conseguiu sair da casa, fugiu da residência e deu de frente comigo que estava do outro lado da rua observando a Swat, então eu entrei em combate com ele, algemei, dominei e depois desse dia o comandante da Swat, na época Patrick O'Quinn, me concedeu o título de membro honorário da Swat em uma lei americana que diz que quando você não tem um profissional especialista na unidade policial ou da SWAT e você precisa dessas habilidades você pode convocar essa pessoa e ela passa a ser um policial durante as operações. Então com esse título eu trabalhei dentro da SWAT de 2003 a 2008 e foi o período em que eu morei nos EUA, mas voltei ao Brasil por conta da minha filha que teve que voltar ao Brasil e vim para cá para ficar perto dela, mas continuo dando aulas para a Swat através dessa associação, no período de 2 a 3 meses estou sempre nos EUA mantendo o meu trabalho e minhas aulas e dando atualizações e cursos.

O que contribui para aumentar a sensação de segurança da população?

No Brasil, a gente tem essa sensação de segurança quando vemos policiais fardados na rua. Em outros países a sensação de segurança vem através das estatísticas que o índice permanece estável ou está em ato decrescente. Então a gente consegue entender que essa sensação de segurança do brasileiro, de ter mais policiais na rua, é algo inatingível porque não vamos conseguir ter nunca 1 policial para cada cidadão brasileiro. Então eu vejo assim: o que a gente pode fazer para aumentar essa sensação de segurança é aumentar a punição evitando a impunidade que a gente percebe um índice muito alto de crimes por causa dessa impunidade e quanto mais se divulga essa impunidade mais pessoas começam a cometer o crime e a gente conversando com os policiais brasileiros há uma sensação muito grande de enxugar gelo, prender, soltar, prender soltar, tem policiais que já prenderam mais de 30 vezes a mesma pessoa. Causa uma desmotivação muito grande. Então acho que a legislação tem que ser mais rígida, os processos têm que ser com um nível ainda mais apurado para que o judiciário não observe falhas e conceda liberdades, com foco no cumprimento da penalidade e aumentar mais presídios se for o caso para que as pessoas entendem que se cometerem crimes elas irão punidas. Quando isso começar a acontecer no Brasil, assim como a legislação começou a ser muito rígida para quem bebe e dirige, eu acho que tem que ser para os outros crimes para que haja essa intimidação, esse freio no crime, já que o estatuto do desarmamento foi uma falácia, tinha uma sensação que se tirasse a arma da população o crime diminuiria e isso não aconteceu, muito pelo contrário, acabou tirando a arma do cidadão do bem, aquele que quer se proteger e proteger a família. Ficou só os bandidos e criminosos armados no país. Então eles ganharam muito poder, muita autoconfiança de que eles estão hoje sozinhos, armados e ainda sabendo que a legislação é muito falha e com muitas brechas e que não vai haver punição nenhuma. Então acho que para aumentar essa sensação de segurança nós temos que eleger bons deputados federais, bons senadores nas próximas eleições para que possam mudar essa legislação e a gente começar a ter um país mais rígido nisso. A gente tem que tirar essa ideia de que é o excluído da sociedade que comete crimes, isso é uma mentira e uma utopia. A gente tem os Estados Unidos onde tem escola para todo mundo, tem trabalho para todo mundo e tem a maior população carcerária do planeta, então tem que se derrubar esse conceito de que excluído da sociedade são criminosos. Isso é mentira. A grande maioria dos chamados excluídos da sociedade são pessoas honestas e trabalhadoras, e merecem oportunidades. Temos que fazer um código penal em cima de quem tem prazer em fazer crime, que tem isso em seu DNA.

 

Por: Fabio Gadotti

Fonte: Notícias do Dia Florianópolis - Link